quinta-feira, 29 de maio de 2008

Com os dois pés no futuro


A liberação das pesquisas com células-tronco embrionárias numa votação história do Supremo Tribunal Federal tirou o Brasil do passado para impulsioná-lo para um futuro científico e político. A rejeição de uma ação promovida pelo Governo, por meio da Procuradoria Geral da República, motivada por conceitos filosóficos e dogmáticos da religião Católica, desvincula essa ligação estado-religião que ainda se impunha em muitas das ações nacionais.

A decisão sob o cunho jurídico e científico tomada pelos Ministros do STF tem um alcance maior do que a simples possibilidade de se fazer pesquisas. Serve como marco para uma nova relação entre estado e povo. Constitucionalmente, somos uma Nação laica. Como tal, plural no conceito e respeito às religiões e às crenças. A decisão do STF separa o estado da religião. Determina competências. Estabelece parâmetros de atuações.

Precisou o país inteiro parar para discutir o “princípio da vida” para darmos um salto político já vivido por outros países. A liberação das pesquisas com células-tronco embrionárias, mais do que possibilitar a igualdade do Brasil com outras nações na busca de novas tecnologias a favor da vida e do bem-estar humano, rompeu com o atraso secular do poder da igreja dentro do estado. Num só ato, demos dois passos para o futuro.
Imagem: declaração dos direito do homem e do cidadão

terça-feira, 27 de maio de 2008

Fábula moderna da velha economia

Era uma vez uma contribuição que foi criada por uma fada má drinha com o objetivo de trazer mais saúde às pessoas mais. O rei resolveu contar para todo mundo que tinha achado uma forma para ajudar as pessoas mais pobres, com uma contribuição, mas que essa seria obrigatória, já que era para fazer bem para todo mundo.

Mas, como muitos não gostaram de contribuir obrigatoriamente, a fada má drinha mudou seu nome para CPMF. As letras o povo esquece disse ao rei. A contribuição obrigatória para o bem criada pela fada má drinha tirava mais dinheiro dos pobres do que dos ricos. Os pobres, além de contribuírem obrigatoriamente, pioravam de saúde. Depois de muito tempo contribuindo obrigatoriamente com o rei e a fada má drinha, o povo aproveitou uma chance e se viu livre da CPMF.

Tempos depois, não tanto tempo assim, uma outra fada má drinha, resolveu de novo criar outra contribuição para cuidar da saúde dos pobres. A fada má drinha sabia que não podia dar o mesmo nome à contribuição obrigatória e resolveu contar ao povo outra história e chamar a ajuda a saúde do pobre por outro nome.

O rei, satisfeito, chamou a fada má drinha para contar ao povo que ele, povo, estaria ajudando a saúde do pobre com uma contribuição obrigatória chamada CSS (Contribuição Social para a Saúde). E assim, a fada má drinha e o rei continuaram felizes e o pobre sem dinheiro para comprar os remédios.

segunda-feira, 26 de maio de 2008

Liberdade

Pela liberação imediata das pesquisas com células-tronco embrionárias para que a esperança não morra congelada.


domingo, 25 de maio de 2008

Viva mais, mas sem prazer

A medicina e as pesquisas dia após dia encontram formas e fórmulas para a longevidade. Se vive mais, mesmo em condições de vida que agridem a forma natural de uma vida longa. Vegetais com agrotóxicos, animais com hormônios, pessoas com necessidade de tratamento psicológico por serem diferentes. Gordas. Magras. Altas. Baixas. Despadronizadas.

Mas, apesar de todos os problemas contemporâneos, ou em virtude deles, os médicos e os pesquisadores encontraram o segredo de viver muito mais. E não é nada difícil, basta abdicar do prazer. Siga as determinações. Não coma, não beba, gaste seu tempo em exercícios físicos e viva alguns anos, eles não sabem bem quantos, a mais.

Todos dizem que a gordura e o açúcar são as substâncias que tornam as comidas mais saborosas. Quer viver mais? Corte as gorduras e os açúcares. Tudo magro e tudo “ligth”. Não importa se o desgosto, e aqui é usado literalmente na falta do gosto, é forte. Faça, os médicos mandam, se quiser ter uma vida longa.

Mas não fique triste. Sempre há a compensação. Podemos deixar de comer os sabores das gorduras, dos açúcares, das manteigas, dos laticínios e ainda sentir o prazer de uma boa bebida. Café. Chocolate. Vinho. Cerveja. Destilados. A medicina já comprovou que fazem bem para a saúde e aumentam a longevidade.

Fazem bem mas só até a segunda dose. Quando começam a fazer bem para o presente; são maléficos para o futuro. E passam a ser proibidos. Vinhos: duas taças. Cerveja: duas latas. Uísque: uma dose. Café: mais que duas xícaras viciam o cérebro. Ia esquecendo do chocolate: já tratado como uma dependência química. Tudo é bom quando deixa de ser bom.

Mas não há motivos para o desespero. Para todo problema encontrado pela medicina e pelos pesquisadores há um remédio. Basta estar vivo e poder comprar. Mas, nunca, leia atentamente a bula. Os efeitos colaterais das drogas milagrosas que aumentam nossa vida não têm remédio. Como as gorduras, os açúcares, as bebidas.

quarta-feira, 21 de maio de 2008

Saca( l )da



Meu saco anda cheio
De fazer poesia
Escroto, só quer ver TV

segunda-feira, 19 de maio de 2008

Só um flerte

Ela me olhava sem me olhar

Eu a olhava sem me notar

Instintivo, caçador

Nos olhos dela, vazios

Me olhando, sem piscar

Num esmeraldino de dor



Ela me olhava só pra ver

Eu a olhava para ter

Nem que fosse um só olhar

Dos olhos dela, vadios

Direto no meu, a vadear

Esperando o acontecer

sexta-feira, 16 de maio de 2008

Perspectivas

Andei de lado

Feito caranguejo

Para fugir da maré

Que logo me afogou

O mar segue em linha

quinta-feira, 15 de maio de 2008

Marido coloca mulher a venda na Internet


Corno coloca mulher a venda em site da internet


Conforme o Portal Terra, Paul Osborn, de Bletchley, na Grã-Bretanha, ofereceu a mulher Sharon - descrita na oferta como "mentirosa" e "adúltera" - a quem pagasse o maior preço.
A oferta tornou-se um fenômeno na Internet. Osborn teria recebido ofertas de até 500 mil libras esterlinas (cerca de R$ 1,6 milhões).

Osborn, de 44 anos, disse ao jornal britânico The Sun ter ouvido rumores de que a mulher, com quem estava casado há 24 anos, estava tendo um caso com um colega de trabalho. Segundo ele, a suspeita foi confirmada depois de checar os e-mails dela.

Ele chegou a expulsá-la de casa, mas acabou aceitando-a de volta. Semanas depois, Osborn teria tido outras provas da traição da mulher.

"Em um ataque de raiva, eu coloquei a oferta no eBay. Depois, eu retirei a oferta porque percebi que não era a coisa certa a fazer. Mas eu estava muito furioso", disse Osborn.
Sharon, de 43 anos, fez uma queixa policial contra o marido.

Se essa moda pega vai faltar lance

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Dicas de auto-ajuda

Para resolver pequenas coisas que trazem grandes incômodos

Acabe com a sensação desagradável que sua barriga está aumentando. Compre cintos maiores.

Deixe de se aborrecer com sua esposa reclamando porque você está vendo futebol de novo na TV. Dê o controle remoto para ela e vá assistir no bar com os amigos.

Resolva a apurrinhação dos telemarktings. Quando pedirem para falar com você diga que já morreu e que a voz é apenas uma gravação deixada na secretaria eletrônica.

Esqueça a correria ditada no dia-a-dia e a aquela sensação de estar sempre atrasado. Tire a pilha do seu relógio e esqueça disso também.

Evite a dor de cabeça de ver seu time perder o campeonato. Torça para vários, um certamente será campeão.


Pare de implicar com sua sogra e no aniversário dela dê um presente especial. Mil balões de festa amarrados nunca cadeirinha flutuante para um test drive.

segunda-feira, 12 de maio de 2008

Os fora de série

Como diz o ditado: “o Brasil tem quase 200 milhões de técnicos de futebol “. Exageros à parte, cada torcedor é um técnico do seu time. Quer ver tal jogador contratado, outros tantos dispensados, tem seu esquema e escalação para cada jogo e fica gritando com o time durante o jogo: “abre, marca, aperta, joga pela direita, esquerda, descentraliza”, e muitos outros comandos típicos de um técnico.

Com o início dos campeonatos brasileiros, séries A e B, 40 times considerados os melhores do país iniciaram a disputa pelas duas taças. Com eles 40 técnicos mostrando seus esquemas e competência. Mas, diante de tantos “técnicos” será que o Brasil tem realmente profissionais “fora de série” para comandar times e até a seleção?

O Blog resolveu fazer uma consulta aos leitores sobre o assunto. Comente quem são técnicos “fora de série” e porquê. Ajude o Bloguesia a eleger os diferenciados do Brasil.

Como colaboração, o Blog vai logo escolhendo três “fora de série” :

Joel Santana (recém contratado pela seleção da África do Sul) – é um “fora de série” pelo uso de sua prancheta de anotações. Já que não sabe nada de futebol, Joel usa a prancheta para anotar as dicas da torcida e não esquecer o que deve mudar no time no segundo tempo.

Wanderlei Luxemburgo (Palmeiras) - “fora de séria” porque não é técnico de futebol e sim um profissional de psicologia, motivador, palestrante de auto-estima (se veste como um) e por sempre achar que o árbitro errou quando seu time perde.

Antônio Lopes (Vasco) – conhece tanto de futebol quanto um bispo de macumba, candomblé e orixás, aliás, temas que ele deve entender bem pela quantidade de superstições que leva para a lateral do campo.

Bom, nesse começo de brasileirão o Bloguesia já fez a sua parte para achar o técnico “fora de série”.
Colabore deixando seu comentário.

segunda-feira, 5 de maio de 2008

Licença poética

Uma licença poética de um flamenguista apaixonado

Uma vez Flamengo
Sempre Flamengo
Flamengo sempre

Eu hei de ser

O mais bem escrito poetrix que já vi.

Na ilustração uma brincadeira com a capa do filme " Pelé, eterno".
Eterno hoje, só Obina.

Matéria da semana

Furação atinge sul do Estado

Não se pode mais acreditar na meteorologia. O FURACÃO previsto para sexta-feira, 2, arrasou o sul do estado somente na tarde de domingo, 4


Confira a imagem de um cinegrafista amador


sábado, 3 de maio de 2008

Do envelhecer



O tempo sobra e não sei o que fazer com ele

Que já me falta

Conta, comigo, os dias a se esgotarem

O tempo me mata

Num acordo entre dois

Nada secreto

Agora, ele me sobra

Esperto

Dando-me a falsa impressão de sua eternidade