domingo, 16 de novembro de 2008

Terceiro tempo

Num domingo a noite
Como por açoite
Tive que agüentar
A ignorância argumentar
O jocoso comentarista
Que já foi jogador
Entre sorrisos, vociferar:
“Tá em cadeira de rodas e tá inteiro?”

Num domingo a noite
Só por açoite
Vou revidar
A incompetência do comentar
Do pseudo artista
Neto, que já foi jogador
E entristecido, sussurrar
“Ta em cadeira de rodas, mas é certeiro”

2 comentários:

ideildecarvalho disse...

Ótima chico!

neo-orkuteiro disse...

Quantas farpas, hein?
Mer seria se assim não fossem as coisas, nem as pessoas, mas o texto é de denunciar o que é. Isso o faz, e bem.