terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Nós, os poetas


Um comentário:

Maristela disse...

Muito interessante este poema que inicia anormal e termina normal.