sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Dor notívaga





Na madrugada, entendo os insones

Noturnos, sem sons

Com suas dor de mente

Dor sem corpo, sem compor

A dor que mente

Etérea

Doendo entre dentes

Com seu torpor

Dor silenciosa

Como só as dores são

Desditosa

Dor de se saber

A dor de não se ter

O sono

O sonho

De adormecer

Nenhum comentário: