quarta-feira, 17 de junho de 2009

Troca de favores dos presidentes


Concordo plenamente com o argumento do presidente Lula de que Sarney tem história suficiente para não ser tratado como uma pessoa comum. O senador tem uma vida pública invejável. Mas, por isso mesmo, pela sua biografia pública, discordo do presidente quando critica a sequencia de denuncias das irregularidades envolvendo o mandatário do Senado Federal. Lula deixa no ar a velha ideia que tudo deva ser esquecido e que, mais uma vez, acabe em pizza.

José Sarney, até pelos cargos que ocupou e ocupa, não é uma pessoa comum; mas também não está acima do bem e do mal. Ao nomear secretamente parentes, na lista estão desde o neto, sobrinhas, até parentes do genro que não moram no país desde 2007, o ex-presidente do Brasil se coloca acima das questões legais (nepotismo) e éticas para locupletar-se com o erário que financia o “clã sarney-murad”. Governa em proveito próprio, rasgando o menor conceito de homem público que deveria ser.

Novamente, quem deveria dar o exemplo de retidão e zelo pelo legal, um senador é eleito para fazer as leis que regem a nação, mostra-se torpe. Na madrugada assina nomeações. No embaralho dos meandros do Diário Oficial as publica para não serem públicas. Do alto do cargo favorece aos seus, intimidando outros parlamentares com o poder político ou agindo na base da troca de favores.

Os novos escândalos descobertos no Senado deveriam indignar os brasileiros ao ponto de exigirmos a renúncia imediata dos senadores envolvidos. Mas como uma Nação se indignar se o seu chefe maior sai em defesa dos desmandos? Lula, que precisa do apoio dos asseclas comandados pelo presidente do Senado, tem razão. Sarney tem história. Mas vamos deixar que seja integralmente contada para que o povo saiba como foi forjada.

Um comentário:

Anônimo disse...

É isso aí maninho!!! Temos que engolir uma atrás da outra! Beijos!!!