domingo, 25 de maio de 2008

Viva mais, mas sem prazer

A medicina e as pesquisas dia após dia encontram formas e fórmulas para a longevidade. Se vive mais, mesmo em condições de vida que agridem a forma natural de uma vida longa. Vegetais com agrotóxicos, animais com hormônios, pessoas com necessidade de tratamento psicológico por serem diferentes. Gordas. Magras. Altas. Baixas. Despadronizadas.

Mas, apesar de todos os problemas contemporâneos, ou em virtude deles, os médicos e os pesquisadores encontraram o segredo de viver muito mais. E não é nada difícil, basta abdicar do prazer. Siga as determinações. Não coma, não beba, gaste seu tempo em exercícios físicos e viva alguns anos, eles não sabem bem quantos, a mais.

Todos dizem que a gordura e o açúcar são as substâncias que tornam as comidas mais saborosas. Quer viver mais? Corte as gorduras e os açúcares. Tudo magro e tudo “ligth”. Não importa se o desgosto, e aqui é usado literalmente na falta do gosto, é forte. Faça, os médicos mandam, se quiser ter uma vida longa.

Mas não fique triste. Sempre há a compensação. Podemos deixar de comer os sabores das gorduras, dos açúcares, das manteigas, dos laticínios e ainda sentir o prazer de uma boa bebida. Café. Chocolate. Vinho. Cerveja. Destilados. A medicina já comprovou que fazem bem para a saúde e aumentam a longevidade.

Fazem bem mas só até a segunda dose. Quando começam a fazer bem para o presente; são maléficos para o futuro. E passam a ser proibidos. Vinhos: duas taças. Cerveja: duas latas. Uísque: uma dose. Café: mais que duas xícaras viciam o cérebro. Ia esquecendo do chocolate: já tratado como uma dependência química. Tudo é bom quando deixa de ser bom.

Mas não há motivos para o desespero. Para todo problema encontrado pela medicina e pelos pesquisadores há um remédio. Basta estar vivo e poder comprar. Mas, nunca, leia atentamente a bula. Os efeitos colaterais das drogas milagrosas que aumentam nossa vida não têm remédio. Como as gorduras, os açúcares, as bebidas.

2 comentários:

VANUZA PANTALEÃO/OBRA LITERÁRIA disse...

E pensar que os nossos ancestrais, que eram centenários, comiam toucinho à vontade já que não havia geladeira, muito menos luz elétrica. Por falar nisso já ouvi dizer que até a lampadazinha que nos ilumina pode nos trazer (vou isolar na madeira) o câncer; até a luz do nosso astro-rei, o sol, onde vamos parar, amigo? Temos que sair de casa lambuzados de filtros solares caríssimos - já dizem os dermatologistas - senão...
Agora, o interessante é que plástica, lipoaspiração, silicone "de montão", ninguém proíbe. Como se diria nos tempos de antanho:"HÁ ALGO DE PODRE NO REINO DA DINAMARCA!" E por que logo na Dinamarca? Até hoje não descobri, risossss. Bem, a "terapia do sorriso" ainda não foi proibida, mas há tantos motivos assim para sorrirmos? Chiko, sempre grata por sua importante e amável Presença no meu, digamos, blog...eu nem sei mais do que chamar aquilo! Falo demais, né? Boa semana!!!

Anônimo disse...

Vou viver na teoria do trapiche, é mais prazerosa, um abraço Mauricio