sábado, 3 de maio de 2008

Do envelhecer



O tempo sobra e não sei o que fazer com ele

Que já me falta

Conta, comigo, os dias a se esgotarem

O tempo me mata

Num acordo entre dois

Nada secreto

Agora, ele me sobra

Esperto

Dando-me a falsa impressão de sua eternidade

Um comentário:

VANUZA PANTALEÃO/OBRA LITERÁRIA disse...

Pois é, meu Amigo! Essa questão do tempo já me atormentou muito, mas como já passei dos vinte, resolvi relaxar, rsss.Desculpe se não vim antes, mas andei meio dodoizinha, mas já passou, pra desgosto dos que me detestam! Interessante, por que será? Grande abraço! Vanuza